Autor Daniele Avila Small

A loucura como projeto em Hysteria

2 de abril de 2020 Críticas

Quase 20 anos depois da sua estreia, Hysteria, do Grupo XIX de Teatro, de São Paulo, se apresentou pela primeira vez em São José dos Campos no último dia do 34º Festivale, em setembro de 2019. O espetáculo foi realizado em um galpão abandonado nas imediações da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, cuja arquitetura serviu como o próprio cenário da peça.

Cinco mulheres estão na Sala de Asseios de um hospício feminino do século XIX – uma espécie de cárcere. Quatro delas estão internadas e sob os “cuidados” da quinta personagem, uma enfermeira com ares de governanta que recebe o público feminino com certa agressividade. As narrativas que cada personagem traz foram inspiradas em registros históricos pesquisados pelo grupo. Suas falas trazem citações de documentos e de obras literárias, mas a dramaturgia também conta com a interação com as espectadoras no momento presente.

The fundamental profanation

2 de março de 2020 In English, Traduções

Portuguese version: http://www.questaodecritica.com.br/2019/11/stabat-mater/

Stabat Mater is the most recent work by Brazilian actress, playwright, and director Janaina Leite, in which she carries on a process that intertwines theatrical language and self-investigation. In March 2019, she shared her creative process of Stabat Mater at the 6th MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, and a few months later, the show premiered at CCSP – Centro Cultural São Paulo. Janaina Leite’s text had been selected as one of the finalists of an open call for playwrights, promoted by this venue the year before. I only had the chance to watch the play a few months later, when it was presented at Teatro de Contêiner, a significant venue in São Paulo.

“Estou sentida não é por menos”

1 de março de 2020 Críticas

“Não poderia a biografia produzir algo com a intensidade da poesia,
algo com a emoção do drama, retendo, contudo,
a peculiar virtude que há nos fatos – sua realidade sugestiva,
sua própria criatividade?”
Virginia Woolf

Osmarina Pernambuco não consegue esquecer é uma peça escrita por Keli Freitas a partir dos diários de Maria Leopoldina Félix Pinheiro da Silva (1919-2014), a Osmarina Pernambuco do título. Foi o neto dela, o ator Alex Pinheiro, quem apresentou os diários da avó para a dramaturga. Em 2016, Keli e Alex apresentaram parte do processo criativo na Mostra Hífen de Pesquisa-Cena, no Rio de Janeiro. Em 2018, o texto foi selecionado na 6ª Janela de Dramaturgia, projeto que proporciona leituras encenadas de textos inéditos da dramaturgia contemporânea brasileira, realizado em Belo Horizonte. Foi quando conheci o texto, pois fiz parte da curadoria desta edição. Na ocasião, houve uma leitura feita por Bárbara Amaral com direção de Raquel Pedras em outubro daquele ano no CCBB-BH, a que não pude assistir. Também não tive oportunidade de estar na estreia da peça, encenada pela própria Keli Freitas, que também atua no espetáculo, em novembro de 2019 no Teatro D. Maria II em Lisboa. No entanto, tive a sorte de assistir à leitura realizada por Alex Pinheiro no Tempo Festival no mesmo mês, dirigida por Inez Viana.

Para mastigar o teatro

19 de novembro de 2019 Críticas

English version: http://www.questaodecritica.com.br/2019/11/fringe-2019-english/

Em agosto de 2019, passei uma semana em Edimburgo, assistindo às peças do Fringe, festival que viabiliza um imenso mercado de artes cênicas que é referência no mundo inteiro. Representando a MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, acompanhei a programação do Edinburgh Showcase do British Council (que inclui obras que fazem parte do Edinburgh Festival Fringe e do Edinburgh International Festival). Foram mais de trinta espetáculos em seis dias – o que não é nada em comparação aos quase 4.000 que fizeram parte da edição deste ano. Neste artigo, escrevo sobre uma parte dessa programação. Não pretendo fazer uma crítica de cada trabalho, mas apresentar algumas ideias que se formaram no acúmulo e nos atravessamentos.

Chewing Theatre

19 de novembro de 2019 In English, Traduções

Em português: http://www.questaodecritica.com.br/2019/11/fringe2019/

In August 2019, I spent a week in Edinburgh, watching plays at the Fringe, a festival which is a worldwide reference and that provides an immense market for the scenic arts. Representing Brazilian festival MITsp – Mostra Internacional de Teatro de São Paulo, I attended the British Council Edinburgh Showcase (which includes plays on the Fringe and the Edinburgh International Festival). It included more than thirty shows in six days – which is nothing compared to the almost four thousand shows that are part of this year’s edition. In this article, I will write about a part of that program. I do not intend to write a review for each play, but to present a few ideas that came to my mind regarding all those plays together and side-by-side.

Notes

Newsletter

Edições Anteriores

Questão de Crítica

A Questão de Crítica – Revista eletrônica de críticas e estudos teatrais – foi lançada no Rio de Janeiro em março de 2008 como um espaço de reflexão sobre as artes cênicas que tem por objetivo colocar em prática o exercício da crítica. Atualmente com quatro edições por ano, a Questão de Crítica se apresenta como um mecanismo de fomento à discussão teórica sobre teatro e como um lugar de intercâmbio entre artistas e espectadores, proporcionando uma convivência de ideias num espaço de livre acesso.

Edições Anteriores