O desejo paradoxal de ter e querer

Crítica da peça Fã-Clube, de Keli Freitas, com a Cia Físico de Teatro

30 de setembro de 2012 Críticas
Foto: Divulgação.

30 de Abril de 1993:

A tenista Monica Seles, então número um do ranking mundial, foi esfaqueada durante uma partida das quartas-de-final do Torneio de Hamburgo. O autor do atentado, o alemão Günter Parche, foi durante anos obcecado pela tenista alemã Steffi Graf, principal concorrente de Seles. A obsessão de Günter por Graff começou em 1985, quando a viu em um programa de televisão. A partir de então, passou a escrever cartas para a tenista e para sua mãe. Chegou a mandar dinheiro, forrar as paredes de seu quarto com fotos gigantescas da moça e não perdia nenhum de seus jogos. Ela era a criatura de seus sonhos, com olhos de diamantes e cabelos de seda brilhantes, conforme afirmou após o atentado contra Mônica Seles. Ele cometeu o ataque com o objetivo de fazer com que seu objeto de adoração voltasse a figurar no topo do ranking mundial. O plano foi arquitetado quando a tenista foi derrotada por Monica Seles em 1990, durante o German Open.

8 de dezembro de 1980:

O americano Mark David Chapman cometeu o crime que chocou o mundo e que o tornou tragicamente famoso. Ele assassinou, com cinco tiros à queima-roupa o músico inglês e ex-Beatle John Lennon, em Nova York, na entrada do Edifício Dakota, local onde o músico morava. Horas antes do crime, Lennon havia autografado para Chapman uma cópia de seu então recém lançado álbum Double Fantasy. Mark tinha o costume de visitar o prédio de John e perguntava, para funcionários e outros moradores, sobre o ídolo e dizia-se um grande fã do artista. O crime ocorreu porque Chapman sentiu-se traído por seu ídolo ao entender que o cantor não era na vida real o mesmo que parecia nos palcos e que proclamava por meio de suas músicas.

Nos exemplos acima, percebemos que a relação entre uma estrela e seus fãs pode ultrapassar os limites considerados dentro da normalidade e transformar-se em um jogo delicado, arriscado e perigoso para ambas as partes. Quase todos os perseguidores de pessoas famosas se iludem e idealizam a possibilidade de se aproximar de seu ídolo, colocando sobre ele uma série de projeções. A maioria dos stalkers de famosos, de certa forma “vampiros de identidades”, quer estar perto o suficiente para apropriar-se de características que os atraem.

Esse é o mote para o mais recente trabalho da Cia Físico de Tetro. Investigar e discutir em cena a delicada afinidade existente entre o fã e o ídolo, o ser e o ter e a degradação de valores éticos e morais oriundos desta relação. A peça Fã-Clube cumpre sua primeira temporada no Mezanino do Espaço SESC em Copacabana até o próximo dia 30 de setembro. Nesta nova empreitada, a Cia Físico de Teatro apresenta a tênue relação de dois homens obcecados por uma atriz desconhecida. Os dois demonstram um desejo exacerbado de possuí-la, de tê-la sobre seu domínios. Ela não passa de um objeto de desejo para aqueles dois homens que não medem esforços para se apossarem de sua musa. A relação que se desenvolve entre os três torna-se irreversível: a outrora vítima vai aos poucos se entregando ao seu destino e acaba desenvolvendo uma certa empatia por seus algozes. Em determinado momento da peça, não podemos mais afirmar se eles realmente são culpados, quem são os loucos, quem é a vítima, quem está mentindo para quem e se tudo que observamos é realmente real naquela instância ficcional, ou se todo o jogo cênico apresentado não passa de um fluxo imaginativo das personagens.

Fã-Clube é o texto de estreia da atriz Keli Freitas que assumiu a dramaturgia do grupo. Mais uma vez a Cia Físico de Teatro repete a fórmula utilizada em seu espetáculo anterior, Savana Glacial. Tanto em Fã-Clube, como em Savana Glacial, um autor foi convidado para criar, em um processo colaborativo com os três atores da peça, o texto do espetáculo, a partir de um argumento dramatúrgico pré-definido.

Keli criou uma história recheada de boas referências que circulam entre o cinema, o teatro e o universo dos quadrinhos. Podemos claramente perceber uma boa dose do cineasta Quentin Tarantino, de Samuel Beckett e de Garth Ennis (quadrinista norte-americano responsável pela série de Graphic Novels, Preacher) neste espetáculo.

Cito essas três fontes por identificar no texto de Keli Freitas certos elementos que remetem a estes artistas.

Do cineasta Quentin Tarantino, podemos encontrar pontos de contato na forma narrativa. Assim como em Pulp Fiction, Fã-Clube é marcado pela não-linearidade dos acontecimentos, recurso bastante explorado no Cinema e amplamente utilizado em montagens teatrais contemporâneas. Entretanto, aqui essa forma narrativa funciona perfeitamente, pois esse recurso completa os espaços abertos para a reflexão sobre a problematização das instâncias do real e do ficcional, da memória, do certo ou do errado e da vontade de se possuir aquilo que não está ao alcance das mãos.

Do dramaturgo irlandês Samuel Beckett, Keli Freitas toma emprestado a atemporalidade para situar sua ação dramatúrgica. Assim como em Fim de jogo, não temos em Fã-Clube um lugar e um tempo definidos. Isso fica a cargo da imaginação do espectador, que pode muito bem situar os acontecimentos da cena em uma favela do Rio de Janeiro ou no deserto do Texas, assim como os fatos da peça podem ter ocorrido há dez anos ou vão acontecer daqui a dez anos. Esta cronotopia indefinida contribui ainda mais para o clima de suspensão, dos interditos ao qual o espetáculo se submete. Outro ponto que podemos salientar do texto de Keli Freitas é a opção por não dar nome às suas personagens. Não há a necessidade de identificarmos as personagens por nomes. As informações que o público absorve já são o suficiente para adentrarmos nos conflitos das três personagens em cena. Esse recurso de despersonificação não depõe em nada contra o espetáculo, ao contrário, com essa escolha a autora ganha em artificialidade e em força de representação. As personalidades de cada um são descortinadas aos nossos olhos, com bastante nitidez. Os conflitos se estabelecem num jogo de decifração dramatúrgica e cênica bem executada pelos três atores em cena.

Em relação à construção das personagens é possível observar certas similaridades com as figuras criadas por Garth Ennis. Assim como faz o quadrinista americano – que constrói com clareza e bastante definição seus tipos, no que diz respeito aos arquétipos psicológicos –, em Fã-Clube, os papéis exercidos pelas figuras no palco são bem definidos e dados ao público. Não há espaço para a dúvida em relação ao caráter e as intenções das personagens. A figura dos sequestradores, por exemplo: enquanto um é silencioso, o outro é extremamente comunicativo e, embora seja claro que ambos são violentos, podemos perceber momentos de afeto em um e rancor demasiado no outro. São contrapontos que se complementam. Por outro lado, a atriz (Camila Gama) procura se beneficiar das características de seus antagonistas para virar o jogo em seu favor ao mesmo passo que ela se perde entre momentos de lucidez e loucura, por não saber exatamente como lidar com a situação na qual está inserida. Os dois sequestradores (Igor Angelkorte e Renato Livera) se mostram sem escrúpulos e querem a todo custo aprisionar e manter seu objeto de desejo. O grande objetivo dela é se livrar de seus algozes e o deles, de conservá-la. No triângulo concebido entre eles, neste jogo de gato e rato, é que residem os momentos de maior tensão da peça.

Outro ponto de destaque em Fã-Clube é que, apesar de não haver em nenhum momento do espetáculo a interação com o público, este é convidado a questionar o que ali é verdadeiro. O que é real e o que é ficção? Essas indagações são deixadas para serem respondidas pelo espectador, que é abarcado pelas instâncias da memória e da ficção que estão o tempo inteiro suspensas, confundindo-se e se entrelaçando. Não se pode tirar conclusões definitivas. A única certeza é a já citada acima, de que entre o real e o ficcional o limite é tênue e suspenso.

A cenografia de André Sanches é bastante precisa, com os objetos cênicos distribuídos de forma desarmônica sobre o palco com intuito de criar a ilusão necessária na qual Fã-Clube se escora. A ideia de um espaço fechado e claustrofóbico, que se situa em um lugar afastado e inóspito, é bem executada e colabora para a composição das cenas. Além disso, o espaço é concebido para interagir com os atores e não apenas para ilustrar um ambiente. O palco composto por placas de ferro, latões de óleo de diversos formatos e tamanhos, ferramentas, luminárias que caem quase até o chão, dispersos por todo o espaço que nos remete a um velho galpão, dão uma a exata noção de um ambiente inóspito e desconhecido. A iluminação, de Renato Machado, que procura valorizar os tons sombrios e azulados que evocam um lugar onde habitam os dois bandidos e que serve de cativeiro para a atriz sequestrada, trabalha em harmonia com a cenografia. Neste sentido, a luz e a fumaça utilizadas na peça são os dois elementos responsáveis por transportar a plateia para esse universo tétrico, degradado e dilapidado de calor humano. A sensação que temos é a de que os dias e as noites se sucedem lentamente, que não há passagem de tempo perceptível. A trama ocorre sempre naquele ambiente enclausurado e opressivo. A trilha sonora, originalmente criada para este espetáculo por Jamba, também é outro elemento que converge para essa atmosfera. Os efeitos sonoros – mesmo os menos perceptíveis – contribuem para sublinhar a tensão em cena e pontuam o clima de mistério, operando uma desestabilização da pulsão das personagens em relação e diálogo.

O apontamento das atuações desenvolvidas pelos três atores em cena e pela direção de Renato Livera é de uma não-psicologização das personagens. A opção por uma linha claramente não-naturalista aproxima os atores do universo das histórias em quadrinhos e do Teatro do Absurdo. As nuances de cada personalidade vão se descortinando à medida que as cenas se seguem e podemos julgar cada um por alguma característica que se evidencia e que os marca.

Outro fator de destaque em torno das atuações está na artificialidade dos movimentos em cena, que ficaram a cargo da direção de Lavínia Bizzoto. Cada gesto é bem coreografado e requer precisão matemática para que os efeitos dramáticos se concretizem e se amplifiquem, são repetições gestuais pensadas e estudadas à exaustão e realizados com destreza. É a percepção de um teatro que prima para que o espectador acompanhe a história e junte os pedaços de sua estrutura, num bom conjunto entre os atores, a cenografia, a iluminação e a dramaturgia.

Fã-Clube é, acima de tudo, um trabalho que lida com diversas formas de risco, seja na afinidade existente entre os atores em cena, seja na proposta dramatúrgica de um texto original e não-convencional ou ainda pelo tempo de duração do próprio espetáculo, que não é esgarçado. Em relação a esta última característica, cito o professor e teórico teatral Patrice Pavis, que afirma que no teatro, o tempo é o da medida da duração do espetáculo; é também o tempo controlado e submetido à camisa de força da encenação com seus pontos de referência, suas regularidades, suas repetições; tempo repetível noite após noite, graças a uma partitura muito precisa e pouco modificável. É também o tempo da carpintaria dramatúrgica com os seus pontos de passagem obrigatórios (exposição, crescimento da ação, ponto culminante, queda). Esse tempo minutado é facilmente perceptível e descritível, sobretudo nas suas relações com os signos “visíveis” da representação. E é exatamente isso o que acontece em Fã-Clube.

Ao olharmos para este espetáculo podemos vincular aquilo que se conta em cena à atuação, à ação do tempo e do espaço e à ideia de uma história que vai ser desvendada e que prende a atenção dos espectadores na iminência de um final surpreendente.

Referência bibliográfica:

PAVIS, Patrice. A análise dos espetáculos.Tradução: Sérgio Sálvia Coelho. São Paulo. Perspectiva: 2005. P.146.

Raphael Cassou é ator, iluminador e graduando em Teoria do Teatro pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO.

Notes

Newsletter

Edições Anteriores

Questão de Crítica

A Questão de Crítica – Revista eletrônica de críticas e estudos teatrais – foi lançada no Rio de Janeiro em março de 2008 como um espaço de reflexão sobre as artes cênicas que tem por objetivo colocar em prática o exercício da crítica. Atualmente com quatro edições por ano, a Questão de Crítica se apresenta como um mecanismo de fomento à discussão teórica sobre teatro e como um lugar de intercâmbio entre artistas e espectadores, proporcionando uma convivência de ideias num espaço de livre acesso.

Edições Anteriores