Tag: Igor Angelkorte

O desejo paradoxal de ter e querer

30 de setembro de 2012 Críticas
Foto: Divulgação.

30 de Abril de 1993:

A tenista Monica Seles, então número um do ranking mundial, foi esfaqueada durante uma partida das quartas-de-final do Torneio de Hamburgo. O autor do atentado, o alemão Günter Parche, foi durante anos obcecado pela tenista alemã Steffi Graf, principal concorrente de Seles. A obsessão de Günter por Graff começou em 1985, quando a viu em um programa de televisão. A partir de então, passou a escrever cartas para a tenista e para sua mãe. Chegou a mandar dinheiro, forrar as paredes de seu quarto com fotos gigantescas da moça e não perdia nenhum de seus jogos. Ela era a criatura de seus sonhos, com olhos de diamantes e cabelos de seda brilhantes, conforme afirmou após o atentado contra Mônica Seles. Ele cometeu o ataque com o objetivo de fazer com que seu objeto de adoração voltasse a figurar no topo do ranking mundial. O plano foi arquitetado quando a tenista foi derrotada por Monica Seles em 1990, durante o German Open.

Sobre os questionamentos e as dificuldades das relações afetivas

21 de maio de 2012 Críticas
Foto: Divulgação.

Existe a possibilidade de duas pessoas permanecerem juntas sem saber, com absoluta certeza, o que sentem e como sentem o que sentem uma pela outra?

A Probástica Companhia de Teatro tenta responder a esta pergunta ao trazer para o Teatro Gláucio Gill o seu primeiro trabalho, a peça [Des]conhecidos que segue em temporada até o dia 11 de junho. A peça se escora em um enredo um tanto quanto trivial nos dias de hoje. Um encontro às cegas é marcado para acontecer em um bar. O primeiro contato se dá através de um site de encontros na internet. Um dos envolvidos chega, encontra o bar lotado e não avista seu par. Em uma das mesas há uma pessoa sozinha. O primeiro então se aproxima, pede licença para se sentar apenas para aguardar um lugar vago que possa ocupar. Neste momento, meio que casualmente, um rápido diálogo se estabelece e com o desenrolar do papo, os dois descobrem que eram eles que se falavam via internet. Os dois desenvolvem uma relação – fortuita, sem garantias de compromisso duradouro ou laços rígidos – mas há um problema: um deles não acredita no amor. A partir desta constatação, o casal recém formado esbarra nas fragilidades e inseguranças que um relacionamento aberto sugere e os dois passam a questionar seus conceitos sobre o amor, cada um sob seu ponto de vista.

Notes

Newsletter

Edições Anteriores

Questão de Crítica

A Questão de Crítica – Revista eletrônica de críticas e estudos teatrais – foi lançada no Rio de Janeiro em março de 2008 como um espaço de reflexão sobre as artes cênicas que tem por objetivo colocar em prática o exercício da crítica. Atualmente com quatro edições por ano, a Questão de Crítica se apresenta como um mecanismo de fomento à discussão teórica sobre teatro e como um lugar de intercâmbio entre artistas e espectadores, proporcionando uma convivência de ideias num espaço de livre acesso.

Edições Anteriores