Dramaturgia em três tempos

Texto sobre o processo de criação dramatúrgica de Louise Valentina

31 de janeiro de 2010 Processos
Atrizes: Rosanne Mulholland e Simone Spoladore. Foto: Hannah Jatobá.

O ponto de partida de Louise Valentina foi a sugestão da Simone Spoladore de trabalhar a partir de Valentina, personagem que o quadrinista Italiano Guido Crepax (1933-2003) começou a desenhar em 1965. Eu sabia que Valentina tinha sido criada a partir da personagem Lulu, interpretada pela atriz americana Louise Brooks no filme A Caixa de Pandora (1928), dirigido pelo alemão G.W. Pabst e que se baseia nas peças de Frank Wedekind (1864-1918), Erdgeist (Espírito da Terra, 1895) e Die Büchse der Pandora (A Caixa de Pandora), 1904. Sugeri então que Louise fosse o outro elemento focalizado no processo. Tendo estas duas figuras femininas da cultura pop do século XX como objetos centrais, iniciamos a construção dramatúrgica do espetáculo.

Tínhamos portanto uma atriz do cinema mudo e uma personagem de quadrinhos, o que tornava também os veículos onde elas se expressavam, os filmes e as histórias em quadrinhos, elementos importantes no processo e consequentemente na encenação.

Umas das primeiras diretrizes do processo de criação foi a de que a peça teria filmes que estabelecessem uma interlocução com a cena. A primeira estruturação do roteiro se deu a partir da perspectiva da construção dramatúrgica das histórias da Valentina, que tem vários planos (o “real”, os sonhos e as alucinações). Então, foi se configurando que Louise estaria mais presente no plano da cena (“real”) e Valentina estaria mais presente nos filmes. Como se a Louise Brooks, que ficou de alguma maneira aprisionada na imagem de Lulu, personagem do filme de Pabst, se libertasse em Valentina, outra projeção da imagem de Lulu/Louise, proposta por Guido Crepax.

Partimos então para uma abordagem mais biográfica de Louise Brooks e outra mais pictórica e iconográfica de Valentina. Ao travarmos contato com a biografia de Louise, percebemos que ela tinha uma relação determinante com a dança, assim como a própria Simone, que tem formação de bailarina clássica, o que fez surgir outra interlocução importante no espetáculo.

Outro jogo que pareceu relevante nesta relação Louise e Valentina foi o das décadas de 1920 e de 1960 e levamos isto para a relação cena e filmes.

Dramaturgia dos filmes

Foto: Hannah Jatobá.

Construímos os filmes/sonhos/delírios de Louise com Valentina, primeiro partindo do pressuposto de que Louise Brooks é uma figura muito relacionada a um momento inicial do cinema no qual, por não haver sons das falas, as imagens e as trilhas sonoras tinham um protagonismo absoluto.

Trabalhamos também com a perspectiva dos quadrinhos como quadros ou “frames” de um filme e, a partir desse ponto de vista, retrocedemos ainda mais na história do cinema, indo até as sequências de fotos de estudo de movimento de Eadweard Muybridge e outras experiências seminais do cinema como as de Georges Méliès, Marcel Duchamp, Man Ray e Jean Cocteau, por exemplo.

Como Valentina é o elemento subjetivo mais presente nos filmes do espetáculo e seus quadrinhos surgiram nos anos de 1960 (o que a transformou numa espécie de ícone desta década), começamos a trabalhar também com referências deste período que nos pareciam pertinentes, como O bandido da luz vermelha (1968) de Rogério Sganzerla e Blow up (1968) de Michelangelo Antonioni.

A partir de várias conversas, leituras e referências cinematográficas, a Simone escreveu um roteiro inicial que englobava filmes e cena, com o qual demos início à etapa de execução. Convidamos a Marcela Lordy para dirigir os filmes e fomos durante algum tempo decupando e decantando particularmente os roteiros dos curtas, para que eles fossem filmados logo, pois sabíamos que só depois de termos feito os filmes poderíamos construir a dramaturgia da cena e poderia se dar de fato a interlocução dos veículos.

Dramaturgia da cena

Atriz: Simone Spoladore. Foto: Hannah Jatobá.

Como a Louise Brooks ficou definida como o foco central da cena, partimos para uma pesquisa sobre a vida dela. Neste estudo, a primeira sensação que tivemos foi a de que, ao buscarmos informações sobre a biografia de alguém, sempre as recebemos de forma bastante esparsa: uma frase que foi dita por Louise Brooks aqui, uma carta que ela escreveu ali e uma entrevista que ela deu acolá. Constatamos também que mesmo o livro escrito por Louise com um caráter autobiográfico, Lulu in Hollywood (1982), é uma coletânea de oito ensaios sobre alguns momentos da vida dela e o último deles se chama Why I will never write my memoirs – (Por que eu nunca vou escrever minhas memórias). Portanto, mesmo o que existe de autobiográfico de Louise tem uma abordagem fragmentada e não se propõe a dar conta de toda a história de uma vida e nem sequer a ser um livro de memórias, aborda apenas poucas passagens que ela própria elegeu como relevantes.

A partir desta perspectiva, resolvemos radicalizar nesta percepção fragmentada que podemos ter de uma biografia e escolhemos apenas alguns pontos por onde queríamos transitar na história da vida de Louise Brooks. Neste momento, foram incorporados à peça alguns textos da própria Louise e foram escritos outros que de alguma maneira propõem um diálogo com a escrita dela.

Uma fonte importante que encontramos na pesquisa de textos de referência para a construção dramatúrgica da cena foram as cartas que Louise Brooks trocou com Guido Crepax na década de 1970. Essa correspondência foi o ponto de contato mais concreto que encontramos entre Louise e Valentina e o canal que encontramos para desenvolver a menção que existe da personagem de Crepax na dramaturgia da cena.

Dramaturgia do corpo

Atriz: Simone Spoladore. Foto: Hannah Jatobá.

É particularmente difícil neste campo fazer alguma consideração que não seja restritiva e que não tente cercear de alguma maneira o olhar do espectador. Por isso tento aqui só apontar alguns caminhos tomados a partir do momento que a dramaturgia era construída e algumas escolhas iniciais que têm relação com o trabalho de corpo e interpretação da Simone.

A partir da construção dramatúrgica dos filmes e da cena começamos a nos deparar com as questões de interpretação dessas figuras que iam surgindo. Tínhamos a Louise jovem, a Louise mais velha, a Louise Lulu e a Louise/Valentina. Tínhamos também a própria Simone como atriz/co-dramaturga que trazia um depoimento sobre estas “personagens”.

Pelo fato do espetáculo apontar uma interlocução com a dança, convidamos a bailarina e coreógrafa Marcelle Sampaio para fazer a direção de movimento e, junto com ela, começamos a estudar essas figuras/personagens e estabelecer alguns desenhos de movimento para que só depois começássemos a trabalhar com textos. Desde o início, percebemos que a figura da Simone como intérprete e co-dramaturga teria uma importância determinante. Por isso, em relação aos momentos da vida de Louise Brooks, nunca pensamos em trabalhar com a composição de “tipos”, como por exemplo: a jovenzinha ou a velha. O caminho que buscamos foi o de trabalharmos mais com a energia e a vibração para cada cena, sempre submetido ao fato de deixarmos bastante presente um depoimento da própria Simone como performer.

Leia também a crítica de Dinah Cesare e a crítica de Humberto Giancristofaro de Louise Valentina.

Outros textos críticos e informações sobre apresentações no blog da peça: http://louisevalentina.wordpress.com/

Notes

Newsletter

Edições Anteriores

Questão de Crítica

A Questão de Crítica – Revista eletrônica de críticas e estudos teatrais – foi lançada no Rio de Janeiro em março de 2008 como um espaço de reflexão sobre as artes cênicas que tem por objetivo colocar em prática o exercício da crítica. Atualmente com quatro edições por ano, a Questão de Crítica se apresenta como um mecanismo de fomento à discussão teórica sobre teatro e como um lugar de intercâmbio entre artistas e espectadores, proporcionando uma convivência de ideias num espaço de livre acesso.

Edições Anteriores