‘performance’

O Ritual-Exposição como recurso performativo autobiográfico

Texto sobre a performance Ascendência-Imanência-Transcendência

Autor: Marcelo Asth

Ritualização de si. Foto: Tania Alice.

O Ritual-Exposição: Ascendência-Imanência-Transcendência foi uma ação ritualística em homenagem aos antepassados, aos ancestrais. A ação foi realizada no dia 11 de março de 2014, exatamente no aniversário de um ano de falecimento do meu avô materno. O ritual foi iniciado em uma aula da pós-graduação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), na disciplina intitulada Arte Relacional como Revolução dos Afetos – ministrada pela professora e performer Tania Alice. Esta disciplina propõe discutir e experimentar, de forma teórico-prática, a performance como potencializadora de afetos, numa dimensão espiritual da existência, através de uma abordagem ativa e crítica do conceito de Estética Relacional (BOURRIAUD, 2009) e da discussão de projetos de ASE (Socially Engaged Art – Arte Socialmente Engajada) (1). A disciplina também propõe discutir o conceito de ecosofia – proposta do livro As Três Ecologias (GUATTARI, 1990). Continuação »


Homem Piano – uma instalação para a memória

Texto sobre o processo de criação da montagem da CiaSenhas de Teatro, de Curitiba

Autor: Sueli Araujo

Foto: Elenize Dezgeniski

Para relatar o processo de criação do espetáculo Homem Piano – uma instalação para a memória é necessário esclarecer (mesmo que rapidamente) os meandros deste longo processo iniciado em 2008 com o Projeto de Pesquisa em Linguagem Cênica Narrativas Urbanas – interferências e contaminações. Na pesquisa inicial os intérpretes da CiaSenhas desenvolveram propostas de criação cênica a partir de um fato real veiculado pela mídia. Minha função era conduzir a pesquisa dos atores e desenvolver a dramaturgia dos projetos individuais. Sem a pretensão de montarmos um espetáculo, o objetivo desta fase era justamente a pesquisa de linguagem – treinos e procedimentos artísticos. Isso quer dizer, determo-nos em um processo de criação compartilhado e colaborativo e nele aprofundar o estudo prático sobre aspectos da narrativa em cena, tendo o ator criador como propositor. Continuação »


A imagem permanece transitória

Estudo sobre o estatuto da imagem na performance Site Specific for Love e outras obras

Autor: Flavio Graff

O que torna possível uma imagem conjugar simultaneamente em sua natureza transitoriedade e permanência? O que faz esta imagem desejar este paradoxo? Para a geografia, cada paisagem é singular, e dar conta da imensa gama de detalhes que ela comporta estabelece experiências imagéticas igualmente singulares. Em busca destas qualidades de estado a arte contemporânea incorpora a cada nova experiência estética propostas da ordem da especificidade, da experiência, do acontecimento, do processual, do variável, da flutuação, da impermanência, da efemeridade e da desmaterialização da matéria e corpos, ao mesmo tempo em que investe na particular qualidade de presença capaz de re-configurar o corpo em sua dimensão de sujeito. Mas o que torna uma imagem presente? Quanto mais a obra de arte contemporânea potencializa sua singularização através da sensorialidade experimentada no tempo e no espaço, com maior intensidade consegue estabelecer relações também singulares, múltiplas, entre sua estrutura e os receptores. Nesta elaboração a dimensão de acontecimento torna-se fundamental, colocando em foco as evidentes estratégias de brevidade do ato onde a finitude de sua construção, ou seja, a sua morte, coloca os espectadores diante do paradoxo. A imagem quer permanecer, mas já anuncia a sua partida. O acontecimento em sua maior força de permanência absorve os sujeitos que interagem com ele e, mesmo após a sua morte, continua ecoando indelével na experiência vivida. Continuação »


Avessamentos

Crítica da performance O outro beijo no asfalto da Companhia Excessos, de Portugal

Autor: Dinah Cesare

A performance passou a ser considerada uma expressão artística independentemente de definições na década de 1970, época em que o conceito se impunha mais do que o produto propriamente dito. Quando pensamos em performance, pode surgir a idéia de que ela tem como um de seus objetivos ou conseqüências provocar o choque. Os artistas elaboravam manifestações em espaços urbanos, avaliando de certa forma o fazer artístico em meio ao cotidiano das pessoas. O choque podia ser compreendido tanto pelo lado de quem fazia, quanto pelo lado da recepção, pois não era possível prever as reações. Uma das idéias de performance está associada mesmo à sua característica de acontecer uma vez e nem sempre deixar registro. O caso feliz da Companhia Excessos de Portugal é que ela realiza uma gravação do seu trabalho e veicula na internet, como no caso da performance O outro beijo no asfalto. O que acontece é que mais pessoas podem se envolver e os sentidos se alastram. Esse texto, portanto, é um exercício crítico mediado pelas imagens capturadas por outro, já nasce de uma operação de olhar conjunto e se constrói mais obviamente por uma alteridade. Continuação »


Resta pouco a dizer, mas o resto é essencial

Crítica do Programa II do Festival Resta Pouco a Dizer

Performance: Respiração +. Foto: divulgação.

Assisti no Oi Futuro ao segundo programa do conjunto de peças curtas de Samuel Beckett, apresentadas sob o nome Resta pouco a dizer, dirigidas por Adriano e Fernando Guimarães. O programa se inicia pela apresentação da performance Respiração +. Esta consiste em: duas caixas de vidro, suspensas por uma armação de ferro, contendo água. Dois performers, por meio de escadas, entram nas caixas. Um terceiro performer porta uma campainha e um relógio. A cada ressoar da campainha, um dos performers emerge da água e instantaneamente diz um texto que alude ao ato de respirar (necessidade, capacidade, etc.). Continuação »