Autor Julia Guimarães

Do confinamento à convivência

26 de outubro de 2013 Críticas
Foto: Adriana Balsanelli.

Desde seu espetáculo de estreia, Hysteria, o Grupo XIX del Teatro tem construído uma linguagem cênica permeada pela interlocução sensível com o público, seja ao inseri-lo dramaturgicamente na ficção, seja pelo grau de intimidade e cumplicidade como ele é abordado pelos personagens a cada montagem.

Esse mesmo acento de pesquisa surge radicalizado no mais recente trabalho do grupo, Estrada do Sul, criado em parceria com a Compagnia del Teatro dell’Argine (Itália), com direção e dramaturgia do italiano Pietro Floridia. Após estrear em setembro, na Vila Maria Zélia, em São Paulo, onde fica a sede do XIX, o espetáculo fará nova temporada no mesmo local durante o mês novembro.

Devaneio metateatral sobre a cultura das aparências

23 de maio de 2013 Críticas
Foto: Divulgação.

Em 1943, quando o diretor polonês Ziembinski estreou sua versão para a peça Vestido de noiva, de Nelson Rodrigues, quem estava na plateia talvez não pudesse suspeitar que, naquela noite, o teatro brasileiro inaugurava historicamente sua fase moderna. No entanto, era inegável o estranhamento gerado pela opção rodrigueana de concentrar toda a ação cênica na cabeça da protagonista Alaíde. Após ter sido atropelada e chegar à sala de cirurgia entre a vida e a morte, a personagem se tornou marco de nossa dramaturgia ao oscilar entre os planos da memória, da realidade e da alucinação.

É também a estranheza fragmentária e lacunar gerada pela sobreposição de planos um dos pontos de contato mais fortes entre Vestido de noiva e o novo espetáculo do Grupo XIX de Teatro, Nada aconteceu, tudo acontece, tudo está acontecendo, livremente inspirado na obra clássica de Nelson e com dramaturgia criada pelo grupo em parceria com Alexandre Dal Farra. A direção é de Luiz Fernando Marques e Janaina Leite.

Notes

Newsletter

Edições Anteriores

Questão de Crítica

A Questão de Crítica – Revista eletrônica de críticas e estudos teatrais – foi lançada no Rio de Janeiro em março de 2008 como um espaço de reflexão sobre as artes cênicas que tem por objetivo colocar em prática o exercício da crítica. Atualmente com quatro edições por ano, a Questão de Crítica se apresenta como um mecanismo de fomento à discussão teórica sobre teatro e como um lugar de intercâmbio entre artistas e espectadores, proporcionando uma convivência de ideias num espaço de livre acesso.

Edições Anteriores