Autor Edelcio Mostaço

Um espaço para o devir

25 de abril de 2016 Críticas

Vol. IX, nº 67 abril de 2016 :: Baixar edição completa em PDF 

Resumo: O texto enfoca o espetáculo Cabras, cabeças que voam, cabeças que rolam, criado e dirigido por Maria Thaís para a companhia Balagan, de São Paulo.

Palavras-chave: Cabras, Balagan, montagem, narratividade.

Abstract: The review focuses Cabra, cabeças que voam, cabeças que rolam, created and staged by Maria Thaís for Balagan group from São Paulo.

Keywords: Cabras, Balagan, montage, narrativity.

 

Sétimo trabalho da companhia paulista Balagan, Cabras, cabeças que voam, cabeças que rolam se inscreve na mesma vereda por ela antes trilhada de procurar uma poética estreitamente vinculada com o tema proposto, reinventando um percurso de criação cujo destino é tocar algo novo e antes não referido.

Aula sobre o realismo ideal

31 de agosto de 2015 Críticas

Vol. VIII, nº 65, agosto de 2015

Baixar PDF

Resumo: Comentário crítico sobre o espetáculo Aula Magna com Stálin, de David Pownall, encenação de William Pereira, destacando o teor discursivo em torno do realismo socialista.

Palavras-chave: realismo socialista, Stálin, David Pownall

Abstract: This critic review of the play Masterclass (Aula Magna com Stálin), by David Pownall, staged by William Pereira focuses on the discursive aspect of socialist realism.

Keywords: socialist realism, Stálin, David Pownall

 

Déspotas adoram malvadezas ao som de uma bela trilha sonora. Frederico II recebia Bach para jantares à luz de velas e ao som de um cravo bem temperado; Napoleão não dispensava acordes de Beethoven; Hitler costumava ouvir Wagner em seus momentos eufóricos e Stálin, o ditador soviético de origem georgiana, canções populares de sua terra natal. Aula Magna com Stálin, texto de 1983 escrito por David Pownall e encenado por William Pereira, orquestra uma imaginária noite de inverno reunindo quatro figuras chave para a URSS: o cultuado líder de todas as Rússias e Jdanov, seu mais fiel zelador de princípios artísticos, e os compositores Dimitri Shostakóvitch e Sergei Prokofiev. Ao longo de duas horas e meia, entre cálices de vodka e argumentos com uma só direção, eles discutem música. Afinal, como já reconhecera Aristóteles, na Política, “a música é o encanto de todos os prazeres da vida.”

Odiseo.com

22 de dezembro de 2014 Críticas

Vol. VII, nº 63, dezembro de 2014

Resumo: O espetáculo multimídia Odiseu.com constitui-se em nova investida sobre o semovente território das novas ficções. Três cidades da América Latina sediam a realização, interconectadas via web, produzindo um novo périplo para Ulisses e sua cambiante libido que não sabe aonde vai chegar.

Palavras-chave: multimídia, web, nova ficção, Marco Antonio de la Parra.

Resumen: El espectáculo multimedia Odiseo.com constituye una nueva embestida sobre el semoviente territorio de las nuevas ficciones. Tres ciudades de América Latina sirven de base para su realización, a través de la web, proporcionando una nueva gira para Ulises y su cambiante libido que no sabe a dónde va a llegar.

Palavras clave: multimedia, web, nueva ficción, Marco Antonio de la Parra

O teatro e a política cultural do governo

30 de junho de 2014 Estudos

Vol. VII, nº 62, junho de 2014

Resumo: A política cultural desenvolvida pelo regime militar durante a ditadura (1964-1985) foi gerada em torno do conceito de “segurança nacional” desenvolvido pela Escola Superior de Guerra, observando suas grandes determinações. O teatro era considerado um modo especial de sensibilizar as pessoas e sua administração foi confiada ao SNT (Serviço Nacional de Teatro) e INACEN (Instituto Superior de Artes Cênicas), os organismos federais que colocaram em prática planos e ações destinados a conter a atividade. O artigo analisa os principais eventos e problemas então resultantes.

Palavras-chave: teatro brasileiro, lei de segurança nacional, política cultural, história.

Abstract: The cultural politics developed by the military government during the dictatorial period (1964-1985) was generated toward “national security”, a concept created by Escola Superior de Guerra concerning its guidelines. Theatre was considered a special way to sensitize people and its administration was delegated to SNT (Serviço Nacional do Teatro) and INACEN (Instituto Superior de Teatro), federal organisms that put in practice plans and actions to refrain the stage. This article analyzes its principal events and resulting problems.

Key words: brazilian theatre, National Security Act, cultural politics, history.

Teatro, o ato e o fato estético

27 de dezembro de 2013 Estudos

Arte, técnica e método – três noções complexas em permanente interação e repulsa, uma vez que artistas têm certa dificuldade em entender o que cada uma delas é, significa e promove.

As três noções são arcaicas, encontráveis já na Idade Antiga, conhecendo, ao longo dos tempos, diversos modos de arranjo e disposição entre si, movimento bascular entre uma e outra que singulariza certas escolas, certos artistas e, sobretudo, dado modo de encarar a própria atividade artística. Foi no início do século XIX, todavia, que uma polarização maior distanciou as três noções, adequando-as à ideologia do período – conhecido como Romantismo -, movimento que implicou agudas discussões a respeito da arte, momento que procurou sistematizar a Estética, nascida cinquenta anos antes. Os grandes torneios de opinião vão se cristalizar tendo como campo expressivo a poesia, a arte por excelência para Hegel e seus seguidores, assim como a música, através da valorização de uma subjetivação absoluta no tocante à criação da obra: o verdadeiro criador é aquele capaz de colocar sua alma na obra, viver até os píncaros seus sentimentos transfigurados em arte, imolando-se diante do leitor/espectador.

Notes

Newsletter

Edições Anteriores

Questão de Crítica

A Questão de Crítica – Revista eletrônica de críticas e estudos teatrais – foi lançada no Rio de Janeiro em março de 2008 como um espaço de reflexão sobre as artes cênicas que tem por objetivo colocar em prática o exercício da crítica. Atualmente com quatro edições por ano, a Questão de Crítica se apresenta como um mecanismo de fomento à discussão teórica sobre teatro e como um lugar de intercâmbio entre artistas e espectadores, proporcionando uma convivência de ideias num espaço de livre acesso.

Edições Anteriores