Autor Dinah Cesare

Tradição e criação

19 de maio de 2013 Críticas
Foto: Renata Pires.

A tradição popular é o que norteia a construção da cena de Caetana, espetáculo da Duas Companhias formada por Lívia Falcão e Fabiana Pirro, apresentado no Festival Palco Giratório que acontece no Espaço Cultural Escola Sesc, que fica na Escola Sesc de Ensino Médio, e em outros palcos da cidade. A companhia de Pernambuco partiu do desejo das duas atrizes de investigar suas tradições e “falar do seu lugar de origem”. A personagem Caetana é uma figuração feminina da morte da mitologia popular do nordeste do Brasil. O espetáculo apresenta ludicamente o embate entre a rezadeira Benta que, acostumada por função a encomendar a alma dos mortos de sua cidade, se vê agora na situação limite em que esteve vinculada durante toda a sua vida, ou seja, enfrentando a própria morte.

O mar e o espaço de uma utopia melancólica

14 de abril de 2013 Críticas
Foto: Divulgação.

Um documento do desejo construtivo e de morte de uma peça em que seus integrantes são aventureiros que se deslocam por territórios que reúnem em si a fisicalidade dos espaços percorridos e seus imaginários. O trabalho é uma parceria-mistura da companhia Foguetes maravilha do Brasil, e da Mundo perfeito de Portugal, e nada mais apropriado do que o princípio do argumento em que as duas companhias se encontram num veleiro no Oceano Atlântico para realizar a peça: espaço de plasma, de deriva, de tempestade, onde a morte é uma possibilidade latente. Então o maravilhoso do mundo só pode mesmo existir pelo confronto cínico com a morte.

Imagens do horror

9 de abril de 2013 Críticas

As marcas da crise política impressas em quatro jovens que se encontram em um lugar indeterminado, vestindo tshirts com capuzes e orelhinhas de bicho. Seus corpos mostram uma movimentação nervosa e exaustiva, que é o resultado do horror que aparece quando o que nos forma (o pensamento intelectual, a política, a economia, as relações sociais) se revela como motor de nossa própria decomposição. A este homem moldado pelas injunções sócio-político-econômicas restam também alguns momentos de petrificação, como último recurso de resistência ou, talvez, como um breve estágio que antecede sua morte. É com este imaginário que o Colectivo 84/Penetrarte de Portugal, companhia dirigida por Mickael de Oliveira e John Romão, coloca em cena as repercussões e os possíveis enfrentamentos diante do atual estado das coisas. Suas insinuações à escatologia e ao sexo mecanizado, seu humor debochado de si e dos outros e o retorno a um estado quase animalesco parecem ter a intenção de figurar uma maneira de lidar com o mal-estar gerado pela violência, pela condição de expropriação e de alienação do homem. A sociedade de consumo tem nádegas na cabeça que eliminam coca-cola: insumo e produto do pensamento intelectual.

O tempo de Nelson

28 de março de 2013 Críticas
Foto: Dalton Valério.

Introduzir uma questão sobre Vestido de noiva não é uma tarefa fácil. Mesmo um texto crítico pode sofrer do fato de toda a dramaturgia de Nelson Rodrigues ter sido amplamente montada, vista e analisada. Claro que isto tem a ver com a peça ser um texto ícone da dramaturgia brasileira. O texto de Nelson tornou visível uma formação estrutural e uma temática, cujo desdobramento foi o de se mostrar como um clássico. Um texto pode ser considerado um clássico por sua capacidade de mimetizar a atualidade em que é encenado, na medida em que traz questões e modos de encenação ainda não plenamente identificáveis e que, por isso, podem ser reconhecidos, ou traduzidos por diferentes épocas. Então, de alguma forma, estamos falando e pensando na questão do tempo quando nos referimos aos textos que, como o de Vestido de noiva, são capazes de trânsito entre épocas.

Cena de experimentação

28 de março de 2013 Críticas
Foto: Renata Souza.

A característica marcante de Duo sobre desvios, em cartaz em março no Art Hostel Rio, é o fato de que a ação investigativa constrói sua cena. A investigação sobre o abandono não se dá propriamente com uma proposição em que os atores mostram contornos decididos a respeito do tema. Tudo se passa como uma instância que vai se formando ao longo da exposição, mesmo que, como sabemos, exista uma partitura de falas e ações preparadas e ensaiadas anteriormente. Outra coisa que conta para esta perspectiva é que se trata de um trabalho que não se encaixa em determinações de linguagens, mas se forma pelo atravessamento entre a dança e a atuação teatral, ou seja, modos de representação que nos ligam a essas ideias. Existem ainda outros atravessamentos entre poesia, texto dramatúrgico propriamente dito, relatos autobiográficos e sobre o processo de criação, projeções de imagens e música que compõem a dramaturgia elaborada em conjunto por Fabrício Moser e Cadu Cinelli.

Newsletter

Edições Anteriores

Questão de Crítica

A Questão de Crítica – Revista eletrônica de críticas e estudos teatrais – foi lançada no Rio de Janeiro em março de 2008 como um espaço de reflexão sobre as artes cênicas que tem por objetivo colocar em prática o exercício da crítica. Atualmente com quatro edições por ano, a Questão de Crítica se apresenta como um mecanismo de fomento à discussão teórica sobre teatro e como um lugar de intercâmbio entre artistas e espectadores, proporcionando uma convivência de ideias num espaço de livre acesso.

Edições Anteriores